terça-feira, 9 de novembro de 2010

Eu tenho febre. É um fogo leve que eu peguei*

Mentira! Fogo leve... Humpf.
Antes fosse.
Doente desde sexta e num mal humor de assustar até nazista. Imagine a alegria e satisfação de perder um final de semana inteiro (o último antes das provas) e mais dois dias de folga do TRE pra tentar se curar de uma sinusite infeliz?!
E você me pergunta por que não usei um atestado médico? A resposta é simples: médicos não dão mais atestados médicos. Não importa que você pague o maldito plano de saúde, eles acham que a recuperação é imediata e você está apto a encarar as crianças gritando e correndo o dia inteiro, a voz de gralha da colega da sala da frente e o vento rascante que açoita a escola.
Depois de febre de 40 graus, desmaios, dores de cabeça insuportáveis, resolvi procurar um médico. O primeiro hospital de emergência do plano de saúde estava pior que atendimento do SUS. Juro! A UPA que tem aqui perto é mais organizada e limpa que aquele hospital particular. Eu, que sou fresca e fraca, liguei pra paps e pedi pra me levar em outro lugar. No hospital 2 o atendimento foi menos ruim. Pelo menos o lugar não cheirava a meia suja e tinha água filtrada pra quem esperava. Só que, olha que legal, levei quase duas horas pra ser atendida. Com febre e dor de cabeça - além daquela dor no corpo bacana que a febre traz.
E então vem o médico. O infeliz mal olhou na minha cara. Perguntou o que eu estava sentindo, e quase respondi: RAIVA, mas expliquei os sintomas mais que conhecidos da inflamação. Ae o que ele fez? Apertou os ossinhos do meu rosto com tanta vontade que quase mordi a mão dele. Que infame!!!! Ao invés de pedir uma radiografia, aperta o local da dor. Me passou a querida amoxicilina e mais dois outros medicamentos, além daquele trequinho de pingar no nariz. "E o repouso, dr?", eu perguntei. "Ah, não precisa. É só tomar o remédio direito". Então tá, né.
Eu gostava mais do tempo em que o médico praticava medicina e não só prescrevia remédios. Quando ele olhava pra você como se você fosse gente. Porque hoje nós somos "só mais um que não quer ir trabalhar".

2 pitacos:

Paola Bracho disse...

Nem me fale...toca aqui que sou super solidária à vc! E eis que eu peguei catapora....sim, essa coisa infame que seus alunos crianças devem ter....peguei na não mais tenra idade! E fui ao médico...mas, cara,quem fez a consulta fui eu! Ele me perguntou o que eu tinha...eu disse "catapora" e ele "hummmmmm", jogou um bloco na mesa e começou a escrever....me olhou e disse: "quantos dias vc quer?"...eu pensei em dizer: uns 6 meses e um pacote pro Tahiti....mas murmurei 15 dias...ele escreveu, carimbou, assinou e me despachou. Plano de saúde....

Bj, ruiva!

Luciana Matos disse...

Esses dias fui com Fábio a um hospital particular ali na Tijuca e o comentário geral era que a Upa que funciona ali pertinho estava mais vazia que lá.

Fora que tá difícil confiar nos médicos hj em dia, tem cada fundo de quintal dando diploma de medicina...

 

Copyright © Histórias e Pensamentos de uma Ruiva Infinita. Template personalizado por Elaine Gaspareto Design by Volverene from Templates Block