quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Que a Força esteja com você

Recebi algumas manifestações de preocupação dos leitores queridos esses dias. Então...

Pessoas, não posso dizer que estou bem, porque seria uma deslavada mentira. Mas posso dizer que estou tentando ficar bem. Perder nunca é fácil. Dói, dá vontade de parar todo o resto. E esse último mês foi um mês de perda. Uma amiga, a mãe de uma amiga, o pai de uma amiga e um romance. Todos pra mesma doença.
Todos os casos me deixaram muito abalada. Mas a amiga e o romance....... A mesma idade e o mesmo local.. A diferença é que ele está vivo. Mas, segundo ele, prefere que eu fique longe, porque não sabe quanto tempo ainda tem. Não sei se deveria expor minha vida dessa forma, mas o que estou sentindo é tão forte que eu estou só o pó.

Ele não era o homem da minha vida, nem o meu "grande amor".
Há quase dez anos que eu deixei de acreditar em "grande amor" e passei a acreditar apenas em amor possível. E ele era um amor possível. Éramos incríveis juntos. Não havia nada nele que me desagradasse. Altura, cor dos olhos, cheiro, jeito de vestir, modo de falar, idéias, gostos.... Eu gostava de tudo. E ele parecia sentir o mesmo.
Ele tinha um jeito de me perceber que era inquietante. Parecia que me conhecia de muitos anos. Meus olhos? Eram transparentes; não dava pra esconder nada dele. Até a pequena alteração na minha voz quando eu fico irritada, ele percebia.
E a gente combinava em muita coisa.
Normalmente sou meio fria e desconfiada, mas não fui assim com ele. Várias vezes disse pra ele que eu sentia uma angustiante segurança quando estávamos juntos. Não tinha medo de ousar, ou de ser eu mesma. E pra uma menina insegura como eu, isso é algo realmente raro. Tínhamos tanta afinidade que chamávamos* um ao outro. E mesmo de longe eu sentia se ele estava bem ou não.
Tivemos alguns percalços, mas agora tudo estava bem - por iniciativa dele.
E, de repente, fim. Alguém entende? Eu não entendo. E isso dói. Pra minha mente supostamente racional, não entender é realmente um problema. E dói. Dói tanto que sou só tristeza, só lamento, só lágrimas. Um pouco de drama? Talvez. Mas é por isso tenho evitado este espaço. Porque não quero desopilar aqui.

O lado negro da Força me tragou, porque essa não sou eu.
A Dzinha é alegria, exuberância, riso solto, saias ao vento, olhos brilantes e tudo o que for sinônimo de alegria. A Dzinha ri das desgraças da vida. Ela é uma Jedi.
Não estou dizendo que não chore e que não fique braba. Já cansei de contar pra vocês das minhas crises de tpm e coisas parecidas. Mas essa Dzinha, de chorar por uma ilusão destruída.... Essa não sou eu. Evitar meus amigos? Não sou eu. Deixar de ler os blogs queridos? Perder a vontade de comer doce? Não sou eu. Não ficar de papo no msn? Não defender minhas onças? Deixar de cuidar da minha casa e do meu cabelo?? Essa, definitivamente, não sou eu.

Não posso prever quando estarei eu mesma de novo. Mas estou me esforçando pra ser o mais breve possível. Eu preciso da minha alegria de volta. Ela é minha força. Sem ela, não consigo fazer nada, não há vida pra mim. Apenas sobrevida. E eu não sobrevivo. Eu vivo. Faço acontecer. É assim que eu sou. E é assim que estarei de novo, em breve.

Agradeço a preocupação e o respeito dos amigos ao meu silêncio no msn e telefone. Vocês são o máximo. Mesmo quando estão calados. E aos leitores queridos, perdão. Em breve serei eu de novo. Só um pouco mais de paciência enquanto eu junto os caquinhos do meu coração... E que a força esteja comigo.


* sabe quando você pensa em ligar pra pessoa e ela te telefona? sabe quando você telefona pra convidar pra um café e dá ocupado pq o outro está fazendo a mesma coisa? esse tipo de coisa é chamar.


Em tempo..
Recebi um comentário nesse texto.... acho que a intenção foi até boa, mas não gostei muito disso não. Então uma pessoa inteligente não tem sentimento e não sofre? Desde quando é feio sofrer por amor? Desde quando sentir virou sinal de falta de inteligência? Não penso assim não. Isso, aliás, dá assunto pra outro post. Talvez escreva sobre isso depois.

6 pitacos:

Robs disse...

Dzinha...

Eu posso me incluir nessa lista de amigos preocupados com vc! E não é só por causa das suas belas histórias e textos. Mesmo sem te conhecer pessoalmente, sei que vc é incrível, sei do seu "equilíbrio" na força!

Não se preocupe tanto agora com esse espaço aqui, quem gosta de vc só agradece sua sinceridade,sensibilidade e coragem de expor o que ta ocorrendo na sua vida nesse momento. Estavámos preocupados com razão. Vc vai ter que buscar sua força infinita agora! Portanto, só vc sabe qto tempo precisa para isso.

Bom, só quero que saiba que estamos torcendo.De verdade. Tenha muita fé em Deus agora,com ele vc resgatará sua força. Existem momentos na vida que somente nós devemos e acabamos por passar.

Estamos aqui amiga...longe do corpo, mas com certeza, perto do coração!

Se quiser, sentir vontade, sentir necessidade...Fique a vontade para passar um e-mail tá? Lerei e responderei com todo carinho!

robs.batista@gmail.com

Fique com Deus...um grande beijo e se cuida!

Que a força esteja com você!

Ass: Rob Wan kenobi (essa assinatura foi uma tentativa de arrancar,nem que seja de leve, um breve sorriso seu).

Bjs

Gabi disse...

Poxa...
Só tenho a dizer que desejo que o Senhor seja a tua força, que seus caquinhos sejam juntados e que novas e boas coisas aconteçam em breve...
Bjs!

Seu maior desejo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Medeiros disse...

Olha só...não sei se você leu lá no meu blog, mas preciso deixar isso aqui pra você:

“Eu estava tomada por uma tristeza quente, poderosa, e adoraria ter me entregado ao reconforto das lágrimas, mas tentei com força não fazê-lo, lembrando-me de algo que minha Guru dissera certa vez: que você nunca deveria dar a si mesmo a oportunidade de se entregar porque, quando o faz, isso se torna uma tendência, e nunca mais pára de acontecer. Em vez disso, você precisa treinar ficar forte.”

Trecho do livro Comer, Rezar, Amar, Elizabeth Gilbert.

Beijocas e se cuida

Duas estranhas não tão estranhas disse...

Lendo o seu post me lembrei do quando eu sempre fui intensa em tudo q vivo. Logo me veio a mente um comentário seu nesse post lah no estranhas: http://estranhasnoparaiso.blogspot.com/2008/07/gente-pode-morar-numa-casa-mais-ou.html
Dzinha disse...
Ai, socorro!! Eu tenho sido tão "mais ou menos" nos meus sentimentos......


Vc não está sendo mais ou menos, está sendo humana, e como uma pessoa linda, iluminada, inteligente, alegre, contagiante e confiante, sabe que essa dor vai passar, pode demorar um pouquinho, mas vai passar, eu acredito em vc!

Tudo na vida é perfeito, em algum momento vc descobrirá por que causa, motivo, razão e circunstância isso tá acontecendo, aí vc terá as respostas para as milhões de perguntas que vc deve estar se fazendo...

Miss A

Madame Mim disse...

Guria, não te conheço pessoalmente, mas vc é uma padawan.
Força sempre.
beijos!

 

Copyright © Histórias e Pensamentos de uma Ruiva Infinita. Template personalizado por Elaine Gaspareto Design by Volverene from Templates Block